AS MULHERES ENÓLOGAS DA CALIFORNIA

27 Fevereiro, 2019

AS MULHERES ENÓLOGAS DA CALIFORNIA

 

Os EUA são o 4º maior produtor de vinhos do mundo, ficando atrás apenas da França, Itália e Espanha. A região da Califórnia possui mais de 3.800 vinícolas e concentra as maiores e melhores do país.

 Que essa região possui uma rota de vinhos incrível nós já sabemos, agora o que nós queremos mesmo falar é sobre a parcela de mulheres que têm roubado a cena nesse mercado, as grandes enólogas que vieram da Califórnia ou que foram para lá!

O livro Opus Vino classificou como notáveis 4.000 vinícolas, e descobriram que dentre as californianas, 23% delas são comandadas por mulheres. Sabemos que a grosso modo pode parecer um número baixo, mas não é. Visto que o mercado de vinhos sempre foi predominantemente masculino, esse número é bastante significativo e mostra que as mulheres estão de fato começando a ocupar lugares que antes eram completamente dominados por homens.

 Pensando nisso, hoje trouxemos 3 nomes relevantes de enólogas que atuam na Califórnia ou que nasceram nessa região!

 

 Pauline Lhote

Pauline é francesa, mas por ironia do destino acabou alavancando sua carreira como enóloga na Califórnia. Nascida na região de Champagne, fez jus ao nome da sua cidade e se tornou uma das maiores produtoras de espumantes dos EUA. Pauline cresceu em uma fazenda e se formou na universidade de Reims Champagne-Ardenne. Antes de ir para a Califórnia ela trabalhou em diversos centros vinícolas na França, como Moët & Chandon e na Nicolas Feuillatte, antes de seguir para a Domaine Chandon, em Napa Valley, em 2006. Hoje, ela lidera o time da Chandon na Califórnia e tem grande responsabilidade em todo processo de criação dos vinhos.

  Ana Diogo Draper

Ana é portuguesa, mas também decidiu se aventurar pelo condado de Napa Valley. Chegou para trabalhar na Artesã Winery, onde permanece até hoje. Formada em engenharia da agricultura pela universidade de Évora, sempre se interessou muito pela produção e processo de fermentação do vinho. Apesar de ninguém da sua família ser da área ou apresentar interesse por vinhos, Ana se encantava pela sua engenharia e todo processo criativo que envolve não apenas o vinho em si, mas a sua fabricação, como suas garrafas por exemplo. 10 anos depois, em 2015, Ana foi a primeira mulher a chegar ao topo da Artesã e foi nomeada diretora da empresa. Hoje ela participa diretamente do processo de criação dos vinhos e tem seu nome conhecido em todo mundo.

 

 Erin Miller

Enquanto Erin Miller se preparava para entrar no Peace Corps, ela fez um desvio que mudaria sua vida. “Eu estava no meu caminho para o Níger, na África Ocidental, e queria reduzir algumas dívidas de empréstimos estudantis antes de me tornar voluntária por dois anos e meio. Eu ouvi sobre um trabalho de colheita em Napa, e eu pensei, que melhor maneira de ganhar um pouco de dinheiro do que trabalhando 12 horas por dia, 6 dias por semana como um rato de colheita?" Mas ao trabalhar na colheita, Erin descobriu a pura alegria da produção de vinho, e quando voltou da África, ela juntou seu amor pela agricultura, ao ar livre e à produção de vinho, e decidiu seguir sua carreira nesta área.

Depois de completar seu mestrado em Ciências na U.C. Davis, Erin foi para a França, e trabalhou como estagiária de vinhedo e adega no Domaine de Coume delMas em Banyuls-sur-mer e depois Domaine Rene Lequin-Colin em Santenay. Na França, Erin apaixonou-se pelo conceito de “vigneron”, a ideia de que o produtor de vinhos também está intimamente envolvido no vinhedo.

Após seu retorno aos EUA em 2006, ela assumiu o cargo de Enologista Vitícola do Programa Bordeaux de Vinwood Cellars, da Kendall-Jackson, e em 2007 assumiu o cargo de enóloga na Hartford Family Winery em Forestville, CA. Em 2010, juntou-se à Provingage Wine Associates, gerenciando vinhos para quatro vinícolas de luxo e trabalhando como enóloga assistente do Oregon e enóloga da Califórnia para a Evening Land Vineyards. Cada posição proporcionou à Erin a oportunidade de trabalhar tanto nas vinhas como na adega.


Em 2014, Erin juntou-se à Twomey Cellars (mesmos donos que a Silver Oak) como Winemaker, um movimento que lhe permite continuar o seu trabalho com vinhos enquanto explora diferentes uvas entre Sonoma e Napa.

Essas são apenas algumas das muitas mulheres relevantes nesse cenário, afinal, sabemos que existem muitas outras que também estão fazendo história no mercado de vinhos.

Se você assim como nós terminou de ler esse post morrendo de vontade de degustar essas maravilhas, confira em nosso site nossos melhores vinhos e não passe vontade!




Deixe um comentário

Os comentários serão aprovados antes de serem exibidos.