Os brancos franceses: A tradição do Chablis

31 outubro, 2019

Os brancos franceses: A tradição do Chablis

Os brancos franceses: A tradição do Chablis

O Chablis é o vinho branco mais conhecido ao redor do mundo. Seu nome ecoa pela memória e pelo paladar dos apaixonados pela bebida por diversos motivos. Este branco francês é um clássico, imponente e charmoso, seco e delicioso, a parceria perfeita para ostras frescas. Por outro lado, o nome Chablis também se tornou conhecido por ser um dos vinhos que mais inspira enólogos ao redor do mundo. Da Califórnia à Austrália; mesmo no Brasil dos anos 1970 a 1990 era muito comum sacarmos rolhas de brancos insípidos ostentando o nobre nome borgonhês no rótulo.

Na França:

A região do Chablis está geograficamente afastada, localizada ao norte da França, quase na região de Champagne. A Appellation d’Origine Contrôlée (AOC) ocupa cerca de 3 mil hectares ao redor da pequena cidade de Chablis. O clima é semi-continental, sem nenhum tipo de influência marítima, com grandes variações de temperaturas. Por lá, os invernos são longos e frios, os verões, mornos com boa insolação. Geadas e chuvas de granizo contemplam eventualmente a região, tornando variáveis as qualidades das safras.

O solo da região é, em geral, argilocalcáreo. Os melhores exemplares vêm dos arredores da cidade de Chablis, onde predomina um solo calcário chamado Kimmeridgian, de origem muito antiga. Em geral, quanto mais próximos ao centro da região, melhores os solos e os vinhos também, ao passo que quanto mais na periferia, menor a qualidade do vinhedo e do produto final. A uva é sempre a mesma, a Chardonnay, a única permitida. Portanto, o que torna diferente o estilo de cada vinho é o solo e os métodos de elaboração de cada vinícola.

Diferenças:

Atualmente, é possível encontrar 4 tipos de Chablis, que em uma hierarquia crescente, estão categorizados em: Petit Chablis, Chablis, Chablis Premier Cru e Chablis Grand Cru. É possível separar estas 4 derivações em grupos, os dois primeiros são bebidas mais leves, geralmente sem passagem por madeira. Os Petit Chablis são quase sempre os mais simples, produzidos na periferia da região, leves e feitos para serem bebidos mais jovens. Os Chablis básicos, também chamados de “Chablis AOC” são os mais populares, e trazem em seu sabor, a autêntica sensação dos Chablis.

Os Chablis Premiere Crus trazem em seus rótulos a denominação Premier Cru, acompanhada do nome de um dos cerca de 40 vinhedos espalhados pela região que possuem esta classificação, como Vaillons ou Fourchaumes. Porém não basta ser um Premier Cru para ser um bom vinho, porque como já falamos em outra postagem, o nome do produtor conta bastante na hora da escolha.

Se existe uma “elite” dos vinhos Chablis, esse grupo é formado pelos Chablis Grand Crus, pois nunca decepcionam. São apenas 7 os vinhedos classificados como Grand Cru, porém existe ainda o vinhedo La Moutonne, que não possui a classificação de Grand Cru, mas tem o mesmo status, pois fica entre os vinhedos Váudesir e Les Preuses. Os Grand Crus geralmente não são nada baratos, mas ganham na relação preço x qualidade em comparação com outros vinhos do mesmo segmento. Em geral, o estilo dos Chablis Grand Cru contém acidez marcante, são secos e minerais, complexos e encorpados. Enquanto harmonizamos um Chablis comum com ostras frescas, os Premier Cru e os Grand Cru pedem pratos de maior intensidade de sabor como salmão defumado, eventualmente com molhos cremosos, e suportam até uma ousadia como o foie gras.

O Chablis, além de ser um tipo muito especial e delicioso, é uma ótima pedida para quem não abre mão de um bom vinho branco, autêntico e inesquecível! 




Deixe um comentário

Os comentários serão aprovados antes de serem exibidos.


Ver artigo completo

A HISTÓRIA DA UVA GARNACHA
A HISTÓRIA DA UVA GARNACHA

16 julho, 2021

A Garnacha é uma uva de vinho tinto cultivada extensivamente na França, Espanha, Austrália e Estados Unidos. É particularmente versátil tanto na vinha como na adega, o que pode explicar porque é uma das uvas mais utilizadas na produção de blends do mundo inteiro. E para saber mais sobre este sabor inconfundível, fomos atrás de conhecer a história desta que é uma das uvas do velho mundo mais utilizada na produção de excelentes vinhos. Confira a seguir, tudo o que descobrimos sobre a Garnacha.

Ver artigo completo

A HISTÓRIA VINÍCOLA DA ESPANHA
A HISTÓRIA VINÍCOLA DA ESPANHA

15 julho, 2021

A Espanha é uma terra de paisagens deslumbrantes, história rica e uma cultura profunda e complexa na qual o vinho há muito desempenha um papel importante. As videiras são cultivadas na Península Ibérica desde pelo menos 3.000 a.c., embora não tenha sido antes de 1.000 a.c. que a vinificação começou a ser feita no país - uma habilidade trazida por comerciantes fenícios do Mediterrâneo oriental. Hoje, a Espanha é o lar de mais vinhas do que qualquer outro país do planeta e tem uma produção nacional de vinho superada apenas pela França e pela Itália.

Ver artigo completo

DESCOBRINDO A ESPANHA: OS VINHOS DE TORO!
DESCOBRINDO A ESPANHA: OS VINHOS DE TORO!

10 julho, 2021

Toro é uma região vinícola de Castela e Leão, no noroeste da Espanha, e está se tornando cada vez mais conhecida por seus vinhos tintos poderosos e encorpados feitos de Tina da Toro (Tempranillo). Em Toro também são feitas pequenas quantidades de vinho branco. Seu nome vem da cidade de Toro, um antigo assentamento a apenas 65 quilômetros a leste da fronteira portuguesa. Toro está localizado no rio Douro, que corta a metade norte da região e por este pedaço encantador e surpreendente da Espanha que iremos passear hoje. Neste artigo, vamos desvendar todos os segredos de Toro para você e conhecer mais sobre esta região tão famosa por seus vinhos.

Ver artigo completo